Archive for the ‘Copa 2014’ Category

Mais um posicionamento sobre a COPA 2014

11/02/2010

Desculpem minha ausência! Estive viajando para fora do país, resolvendo negócios empresariais e pessoais, assuntos que me tomaram toda a atenção e tempo.

É interessante que, mesmo eu estando focado nesses assuntos, tive contato com muitas pessoas que naturalmente acabaram perguntando sobre o Brasil e o Amazonas. Em uma destas conversas veio o assunto COPA 2014 e a preparação da organização deste mega evento, principalmente sendo nosso país a “pátria do futebol”.

Um dos empresários que participava de uma roda de bate-papo disparou: “Paulo, vocês têm que mudar alguns detalhes na legislação brasileira para facilitar o acesso dos turistas que visitarão o Brasil durante a Copa e as Olimpíadas do Rio. Por exemplo: O limite de recursos em dinheiro para entrada nos Estados Unidos é de U$ 10 mil dólares por pessoa. No Brasil, o limite de entrada de dinheiro com os turistas é também de 10 mil, só que reais e não dólares. Resultado, um turista alemão que vá passar 20 dias durante a Copa do Mundo no Brasil tem apenas a metade dos recursos para gastar durante sua viagem, em relação ao que teria se fossem visitar os Estados Unidos pelo mesmo período. Finalmente, vocês não acham mais inteligente equiparar esta limitação ao dólar e assim conseguir que circule muito mais dinheiro no país durante estes eventos?

O comentário/pergunta me deixou sem resposta. Depois fui amadurecendo a idéia e sinceramente cheguei à conclusão óbvia. Independente da possibilidade de uso de cartões de crédito e de débito (ATM), o que minimiza o eventual desconforto ao turista visitante, não resta a menor dúvida que, para diversos segmentos comerciais e de prestação de serviços, o fato de poderem estes visitantes carregar mais dinheiro consigo na viagem para o Brasil, aumentará muito a circulação de dólares entre taxistas, guias turísticos, pequenas lojas e feiras de artesanato, etc. Claro que tem que aumentar também a segurança nas nossas cidades, para que os bandidos brasileiros não tenham mais uma fonte de fomento… (risos)

Fica aí, portanto, mais uma sugestão para as nossas autoridades. Quem sabe nossa bancada federal possa levantar esta bandeira. Aumentar o limite de entrada de recursos financeiros de R$ 10 mil reais para US$ 10 mil dólares poderá significar uma entrada substancial a mais de dólares na nossa economia através da indústria do turismo. E a Copa 2014 é uma excelente oportunidade para discutirmos estas soluções.

Anúncios

COPA 2014: só uma observação.

03/01/2010

A partir de alguns comentários e observações feitas nas perguntas que me foram encaminhadas via Formspring.me, decidi voltar ao tema COPA 2014 em Manaus.

Um dos leitores comentou: “(…) Já não basta financiarmos os estádios e o sistema viário?“, referindo-se ao ônus imposto a população pela criação da Taxa de Lixo.

A resposta eu já escrevi anteriormente aqui neste blog. O povo da cidade de Manaus e do Amazonas é quem vai pagar a conta de quase R$ 6 BILHÕES, estimados para serem investidos pelo direito de sediar a Copa 2014.

E foi exatamente por isso, por termos demonstrado uma imensa capacidade de renúncia em investir em educação, saúde, saneamento básico e outras prioridades, para investir neste “mega-evento internacional”, é que nossa cidade foi escolhida.

Entendo que a grande maioria do povo é favorável a realização dos quatro ou seis jogos a que teremos direito, como cidade-sede, mesmo “cientes” de que todos estes investimentos sairão dos cofres públicos do Amazonas e de Manaus.

Os investimentos no sistema viário (metrô de superfície e o novo sistema de ônibus) serão financiados pelo Governo Federal, mas terão um dia que ser pagos.

Um moderno sistema de coleta, destinação e tratamento de lixo, sustentável sobre o prisma ambiental e muito mais moderno que o atual, deverá ser implantado na cidade. A que custo? A polêmica Taxa do Lixo é uma destas formas de arrecadação de recursos. E olha, se uma parcela significativa desta cidade já é contra, imaginem então quando começar a chegar a “fatura” da FIFA em relação a renúncia fiscal, novos controles de segurança, infra-estrutura hoteleira… De onde será que vai vir o dinheiro?

Ainda bem que, nesse caso, oposição e situação são favoráveis a realização da COPA 2014. O Serafim teve um papel decisivo ao assinar a inscrição de Manaus na concorrência para o direito de sediar. O Eduardo teve a responsabilidade de capitanear o processo de “convencimento” dos técnicos da FIFA. Ainda lembro-me da Vanessa e do Eron no palanque “emocionados” com a festa por ocasião do anúncio oficial. Até o Arthur que era oposição radical ao Governo do Estado entendeu como uma grande conquista. E ao Amazonino sobrou a responsabilidade “insalubre” de preparar a cidade.

Bom! Definido que todos são a favor de que Manaus seja sub-sede da Copa 2014, mãos à obra!

Vamos começar a pensar em como arrumar o dinheiro para esta aventura, quais serão os benefícios de médio e longo prazo que poderão advir deste evento. Melhor utilização dos resíduos da cidade? Aeroporto novo? Outro estádio? Novos hotéis? Novo sistema de transporte coletivo? Não esqueçam: junto com tudo isso vem a conta!

Quem vai pagar a conta levanta a mão!

Ainda sobre a Taxa do Lixo: Opinião Respeitada?

02/01/2010

Confesso que fiquei bastante entretido observando como uma opinião divergente pode provocar tanta polêmica e discussão. Este blog, ainda em fase inicial, nunca foi tão visitado, criticado, polemizado e etc., e em apenas alguns dias superou a marca de 3.000 acessos.

Independente da polêmica visão que defendi, sendo favorável a implantação da referida taxa em Manaus, assustou-me um pouco o radicalismo e agressividade com que algumas pessoas passaram a me criticar. Pelo amor de Deus, gente! Será que o fato de alguém ter uma opinião diferente da que você pensa é motivo suficiente para tanta “violência verbal”? Convenhamos, isto não é nem um pouco democrático. Em qualquer sociedade moderna, o contraponto e a divergência de pensamentos e opiniões são salutares e ajudam a criar soluções.

Resolvi escrever um post em resposta a uma série de indagações que me foram feitas, pois como havia me comprometido, toda as vezes que perguntas encaminhadas via Formsping.me, reincidentes e coincidentes, merecessem uma resposta mais aprofundada, escreveria um artigo com minha opinião. Longe, muito longe, de querer que vocês concordem com estas opiniões, valem, estes singelos textos, como a expressão de um pensamento que invariavelmente pode estar errado.

Mas vamos ao que interessa:

Uma pergunta (anônima) contesta a informação que publiquei relacionada à arrecadação tributária (Receitas Próprias) do município de Manaus, descrevendo ainda que a fonte que lhe parecia mais confiável seria o site Impostômetro, que indica que a cidade não arrecada os pouco mais de R$ 375 milhões que afirmei em minha resposta, e sim mais de R$ 2 bilhões de reais. Só neste ano!

Realmente não me estranha que tanta gente acabe sendo induzida a criticar e se posicionar contra a taxa de lixo, no entanto a informação do perguntador é errada! Voce não pode confundir ORÇAMENTO com Receita Tributária, aliás esta é justamente a estratégia propagada por aqueles que simplesmente querem incendiar, “politizando” um assunto tão sério para a cidade. Basta qualquer cidadão acessar o site da Prefeitura Municipal no link Transparência e clicar no item RECEITAS – Novembro, que poderá ter acesso aos dados oficiais de arrecadação tributária de Manaus. Para os que não querem se dar ao trabalho, adianto. O valor acumulado, neste ano, de impostos e taxas são os seguintes:

IPTU – R$ 52.841.106,89
ITBI – R$ 17.618.021,98
ISSQN – R$ 263.037.470,48
IRRF – R$ 41.720.448,36
TOTAL DA ARRECADAÇÃO DE IMPOSTOS = R$ 375.217.047,71
(+) TAXAS DIVERSAS ARRECADADAS = R$ 29.504.322,72

Espero ter esclarecido os leitores quanto a REAL arrecadação tributária própria de Manaus (até novembro de 2009).

Pergunto: Alguém sabe dizer quanto a cidade gastou só com a folha de pagamento dos efetivos e com as empresas que fazem a coleta de lixo?

Despesas com Pessoal (EFETIVOS) = R$ 550.037.680,73
Estimada Despesa com Coleta de Lixo = R$ 94.000.000,00

Ou seja, a cidade não deve, e não pode, demitir os funcionários públicos efetivos da Prefeitura. Além de ilegal, seria extremamente injusto tanto com o funcionalismo quanto para com o cidadão que sentiria mais ainda a baixa qualidade dos serviços públicos, desta feita pela falta de pessoal.

As despesas com a coleta de lixo, bem como a destinação e tratamento, devem sofrer uma melhoria substancial para podermos cumprir com a nossa obrigação em relação à COPA 2014, elevando mais ainda os atuais gastos. Como fazer se a cidade tem uma arrecadação tributária própria que não dá nem para pagar a sua folha de pessoal efetivo e se as despesas com o lixo (atuais) são maiores que toda a arrecadação de IPTU e ITBI juntos?

É preciso buscar sim o melhor equilíbrio fiscal para a cidade, insisto, pois quem ganha é o cidadão!

Agora, para aqueles que contestam a Taxa de Lixo porque entendem que os impostos e a arrecadação são mal utilizados pelo poder público, por favor, FISCALIZEM o uso e a aplicação do dinheiro, mas não me venham dizer que os impostos e taxas não são necessários. Contestem os administradores, não os instrumentos de sobrevivência da própria sociedade organizada em uma cidade.

PS: Passadas as festas de final de ano, retorno agora com mais textos. Pelo menos uma atualização diária.

Feliz 2010 para todos!

Cidade: Quem são os donos?

25/12/2009

Interrompo a série de “perguntas e respostas” que eu vinha publicando para escrever sobre a grande polêmica deste final de ano, a criação da Taxa de Lixo.

Antes de tudo é bom lembrar que esta taxa, independente de questões políticas, já existe no Brasil desde a época que Lamartine Barros era sucesso nas famosas “ondas tropicais”, lembram? Confesso que eu não! Mas minha avó sempre relembrava. A diferença é que se chamava TLP (Taxa de Limpeza Pública) e vinha cobrada junto com o IPTU (Imposto Predial e Territorial Urbano). Agora, sem querer me imiscuir nos aspectos jurídicos de legalidade ou não, é sempre útil e responsável analisar o assunto sobre o ângulo da oportunidade e necessidade, assim sendo, uma primeira pergunta:

Quanto a cidade (Prefeitura Municipal) está gastando com o serviço de coleta e destinação do lixo? De onde vêm estes recursos?

A resposta é fácil. Aproximadamente R$ 60 milhões por ano (R$ 94 milhões, de acordo com o Vereador Marcelo Ramos) e os recursos são retirados do orçamento próprio do município, alimentados pelas diversas receitas que o compõe.

Aí vão perguntar: Então por que criar uma nova taxa? Simplesmente pelo fato de Manaus não conseguir, na mesma medida em que sua população explode em crescimento, sustentar-se com os recursos que atualmente subsidiam os serviços públicos na cidade.

Quero fazer agora uma analogia. Imagine que você seja sócio de uma empresa, digamos uma grande loja de departamentos, e esta empresa que fatura uns R$ 10 milhões por ano em vendas, chega ao final do ano com um prejuízo de R$ 1 milhão. Você, juntamente com mais nove sócios em partes iguais (10% de cada um), recebe a comunicação dos contadores avisando que terá que “cobrir” o prejuízo com R$ 100 mil reais ou arcar com o ônus do encerramento das atividades da loja. Aí, revoltado, você vai dizer que não vai pagar porque a dívida não é sua, mas sim, da empresa que você é dono? Claro que não, você até mesmo por força legal, terá que assumir sua responsabilidade de sócio.

Poderíamos, até para ficar mais social esta analogia, substituir neste exemplo a empresa por um condomínio de apartamentos que, ao final do ano, necessite cobrir um desequilíbrio financeiro justamente nas despesas de limpeza e lixo do prédio. E daria no mesmo!

A cidade é exatamente isso. Um grande “condomínio” com cerca de 2 milhões de moradores e a conta desta despesa é nossa. Sempre. Porque também somos nós os beneficiados com a melhoria de qualidade de vida. Ou prejudicados quando há uma redução desta mesma qualidade.

Então por que tanta polêmica? Também é simples responder. Ninguém gosta de pagar impostos, taxas e contribuições. Sempre achamos que estamos sendo roubados, que o dinheiro é mal utilizado e vai por aí… Na verdade, nós queremos mesmo é que o dinheiro fique em nossas mãos para podermos dar um destino mais “justo” como, por exemplo, fazer uma viagem ou trocar o carro. A cidade (o coletivo) que se exploda! “Farinha pouca, meu pirão primeiro!”, visão retrógrada e individualista.

Aí vem um bando de “politiqueiros” de plantão que, fomentados pelo sentimento egoísta do individual sobre o coletivo (uma característica sociológica nossa), ganham as primeiras páginas, esquecendo-se do mal que estão fazendo a Manaus. A cidade precisa se reorganizar para a Copa de 2014 e o sistema de coleta e tratamento dos resíduos da cidade tem que melhorar muito, inclusive sobre o prisma ambiental. A limpeza de Manaus tem que ser uma referência para o mundo que nos observará em 2014.

E a pergunta final: Quem tem que pagar a conta desta melhoria? A resposta não pode ser mais óbvia. Nós, os beneficiados!

Portanto, fica aqui uma opinião, que sei que contraria o que muitos estão propagando por aí, especialmente aqueles que tiveram a oportunidade de fazer e faltou-lhes a coragem e competência necessárias.

Copa 2014 em Manaus. E agora? (parte III)

30/10/2009

Prometo que a partir do próximo post vou dar um tempo no assunto Copa 2014 antes que saiam dizendo por aí que estou contra a cidade, etc e tal… Além do que, terei imenso prazer em debater este assunto no próximo dia 20 de novembro no auditório da UNINORTE atendendo ao convite do DCE da universidade. Mas, voltando ao assunto, querem saber outro engodo criado pela “máquina propagandista nazista” do Dudu, “o grande”?

Muita gente acredita que sediar a Copa atrairá muito dinheiro para as obras na cidade e que Manaus vai virar um grande canteiro de investimentos públicos “novos”… Vamos aos fatos!

Para garantir a indicação de Manaus como a cidade-sede do Norte na Copa de 2014, o Governador Eduardo Braga apresentou um ousado projeto que prevê um investimento de aproximadamente R$ 6 bilhões, que serão gastos principalmente em infra-estrutura.

Sabem de onde vem aproximadamente 90% (isto mesmo, noventa por cento!) destes recursos prometidos a FIFA? Do orçamento do próprio ESTADO DO AMAZONAS. Ou seja, do bolso do nosso povo, vez que o dinheiro terá que sair da EDUCAÇÃO, SAUDE, SEGURANÇA e todas as demais políticas públicas de desenvolvimento, inclusive do interior, para ser prioritariamente aplicado na Copa de 2014.

Considerando os fatos acima, seria necessário perguntar, com a maior responsabilidade possível, o seguinte: Se não houvesse a Copa para sediar, estes mais de 5 bilhões não seriam aplicados do mesmo jeito aqui? Se sim, haveria outras prioridades? Se não, onde seriam investidos estes recursos? Aliás, tenho uma sugestão, porque não quintuplicar o investimento na saúde de alta complexidade (vide HUGV e Santa Casa fechados!) ou construir umas 1.500 Escolas de Tempo Integral? Que tal mais uma ponte, desta vez no lugar certo, ligando Manaus ao resto do Brasil pela BR 319? Mas vamos lá… Todos juntos… “Eu tenho orgulho de ser amazonense…“.

Boa noite que eu estou com sono. (risos)

Copa 2014 em Manaus. E agora? (parte II)

30/10/2009

Vamos imaginar, hipoteticamente, que na Copa do Mundo de 2014 caiba a Manaus, como cidade-sede, receber as seleções da França, Croácia, México e Camarões. Isto significa que cerca de 80 mil turistas vindos destas nações estarão nos visitando durante 10 dias, ou seja, muita gente tentando se comunicar conosco em francês, espanhol e croata.

Primeiramente, vale ressaltar, que a grande maioria das pessoas destes países consegue se expressar razoavelmente em inglês. Que sorte, hein!

Suponhamos agora que um curioso casal de croatas resolve ir a um restaurante de comida típica amazonense, ávidos para conhecer algumas de nossas deliciosas especialidades, e chegam ao Açaí, localizado na Rua Acre. Isso depois de se comunicarem através de mímica com o Sr. Marcelino, um experiente taxista, que garante uma proveitosa viagem.

No restaurante, escolhem a mesa e, com um inglês puxado e bastante limitado, pedem o cardápio. Numa lista de pratos totalmente descritos em português, o casal tenta traduzir a palavra SARAPATEL. Chamam o garçom, que não sabe uma palavra de inglês (muito menos de croata), e esforçadamente tentam descobrir o que é um sarapatel de tartaruga. Já imaginaram a tortura?

Ao final, depois de muito sacrifício, eles ainda ficam sem saber quanto vale o prato que pediram, pois os preços do cardápio estão em Real, moeda tão exótica quanto é o Kuna (moeda da Croácia) para nós brasileiros. Porém nossos persistentes turistas utilizam a calculadora do celular para fazer contas de conversão, pelo menos entre o Real e o Dólar. Que indigestão!

Na próxima vez é melhor ir ao Mc Donald’s e pedir um Big Mac, que tem o mesmo nome e pronúncia no mundo inteiro.

Isto tudo vale para perguntar: nossos taxistas estão preparados para se comunicar minimamente com seus futuros clientes, pelo menos em inglês? E nossos garçons? Nossos restaurantes estão fornecendo pelo menos um cardápio em inglês/português? E os preços estão convertidos em uma moeda mais universalizada? Qual programa governamental de apoio aos proprietários dos estabelecimentos de Manaus para qualificar a mão-de-obra foi ou está sendo discutido com as entidades de classe empresariais e dos trabalhadores? E a polícia está preparada para atender emergências em outros idiomas? Quantos postos de informações turísticas funcionam em Manaus? Temos mapas atualizados, que possam servir de referência, para a utilização do sistema de transporte coletivo?

Como se pode ver, para receber turistas, sediar eventos de grande envergadura internacional, enfim, para ser cidade-sede da Copa do Mundo, precisa-se muito mais do que um belo estádio de R$400 milhões.

Copa 2014 em Manaus. E agora? (parte I)

28/10/2009

brasil-2014

No dia 31 de maio deste ano, Manaus foi eleita pela FIFA uma das 12 cidades-sede da COPA 2014! Isso é bom ou ruim?

Para evitar conclusões precipitadas, adianto que sou A FAVOR da realização deste evento em nossa cidade. Só não concordo com a forma que nosso Governador tem passado isso a uma incauta e mal informada população. Tentarei por aqui, através de uma série de artigos, esclarecer algumas questões.

1. Será construído um novo estádio, no lugar do Vivaldo Lima, orçado em mais de R$400 milhões.

vivaldinho.jpg

Um novo estádio… R$400 milhões… Para receber quatro jogos. Isso mesmo. QUATRO. No máximo. Passada a Copa, ficaremos com um ‘elefante branco’, que provavelmente sediará a final da Copa dos Rios, quem sabe num clássico ANORI X CANUTAMA.

Queria apenas lembrar que o investimento necessário para levar água tratada para Manaus INTEIRA é estimado em aproximadamente R$ 300 milhões, sobrando, portanto, uns R$100 milhões para fazer uma MEGA reforma de adequação no nosso “Vivaldão”. Não seria esta uma idéia um pouco mais racional?

Ora, por que reformar se podemos ter o maior e mais caro estádio projetado especialmente para a COPA 2014, não é mesmo? Como diz a musiqueta… “eu tenho orgulho de ser amazonense…“. Caramba, eu não consigo escrever 20 linhas sobre esse assunto sem ter vontade de jogar meu PC na parede!

Ah, mas se a questão é a publicidade pró-governo, imaginem como seria a repercussão de um projeto desse daqui uns anos… A Copa do Mundo sendo realizada numa cidade onde finalmente o problema da água foi resolvido, onde as crianças – antes vítimas de toda sorte de doenças de veiculação hídrica (hepatite, verminoses, cólera…) – levam uma vida mais saudável e produtiva… Imaginem quantas medalhas, homenagens, honrarias e PUBLICIDADE nosso Governador Estado teria…